14 de abril de 2012

O primeiro-ministro pensa que pode fazer o que quer sem passar cavaco (salvo seja) à oposição e à concertação social.
Veja-se o caso das reformas antecipadas e do tal Tratado.
Não sei porquê mas "cheira-me" que se vai arrepender amargamente de tal dislate.

A Páscoa foi tramada para o Governo. Mentiu, desmentiu. Disse, desdisse. Enfim... um fartote.

Já tinha escutado na televisão, mas com o estava muito barulho pensei que tinha percebido mal. Agora li e como o texto estava entre comas, tenho que acreditar que é uma transcrição e que afinal tinha escutado correctamente na televisão.
Disse António Fiúza, presidente da equipa do Gil Vicente, "se ganhar a Taça da Liga, vou oferecer champanhe do bom aos nossos sem-abrigo durante oito dias".
Para que conste, este senhor é membro do GASC (Grupo de Acção Social Cristã).
E que tal trocar o champanhe por um pouco mais de respeito pela condição dos outros?
Que porra de gente...

O Governo quer proibir-me de fumar no meu carro, carro esse que comprei com o meu dinheiro, se levar os meus filhos.
A seguir vai querer proibir que eu fume na minha casa, casa essa que comprei com o meu dinheiro.
É verdade que o Governo me assalta com impostos e taxas sobre o meu carro e sobre a minha casa, mas isso não os torna dele. São meus.
Se quer proibir, proíba nos automóveis dos ministros e secretários de Estado que diga-se também são nossos, mas andam sempre por outras mãos.
E para que fique esclarecido, não fumo desde 2006.