17 de fevereiro de 2013

Há momentos em que rir é o melhor. Acompanhava a edição deste fim de semana do Expresso o Jornal das Regiões/Sintra. Na página 5 encontramos um artigo sobre a apresentação do candidato da CDU à Câmara Municipal de Sintra.
Estaríamos perante um facto perfeitamente banal e de um artigo normalíssimo, não fosse nele encontrarmos uma declarações notáveis de António Filipe, deputado da CDU na Assembleia da República e também deputado municipal em Sintra. Informo desde já que não partilho desta "uzeira" e "vezeira" promiscuidade de cargos, não porque não tenham direito constitucional a isso, mas porque me parece ética e moralmente contraproducente.
Mas continuemos.
Vejam-se as declarações do referido deputado:
"... denúncia dos mais de 120 mil utentes sem médico de família", e que a candidatura da CDU vai abrir "um novo ciclo" e que "...queremos que volte a ser um concelho com valor próprio e não apenas um vizinho de Lisboa",  ainda  "não basta a Sintra ter autarcas mediáticos, quando as razões dessa mediatização nada tem a ver com a gestão autárquica ou com os interesses das populações" e por fim "não vão faltar nestas eleições, em Sintra, candidaturas de direita, com candidatos em comissão de serviço e candidaturas independentes, que sob o manto diáfano de uma suposta independência fabricada à pressa, refletem desavenças partidárias, escamoteiam responsabilidades e servem ambições sociais..."
Pois olhem que gostei destas declarações (que coloquei entre aspas), mas não posso deixar de manifestar uma grande admiração, é que a conivência da CDU com o PSD na Câmara tem sido tão patente que nem precisamos de binóculos para a ver.
Por isso querer agora tapar o sol com a peneira não os livra de uma insolação.

Há pessoas que saem pela porta grande. Há pessoas que saem pela porta do lado. Há pessoas que saem pela porta dos fundos. António Bar...