27 de janeiro de 2010

Fiquei hoje a saber que os enfermeiros estão em greve. Pelos números dados pelo sindicato, desconfio que nem os serviços mínimos estão assegurados.
Pelo que pude escutar o problema reside nos valores salariais, no extenso horário laboral e na questão das carreiras.
Eu percebo que toda a gente queira melhores salários, só não sei se é viável.
Percebo que queiram trabalhar menos, só que aqui não sei se é para descansar, se é para terem mais tempo para estarem nos outros empregos(clínicas particulares, companhias de seguros, hospitais particulares, casas de repouso, etc e etc.

Ontem lá foi entregue o Orçamento de Estado. Se é o que todos desejávamos, é evidente que não. Mas este é o orçamento que se impunha para os tempos que vivemos, para podermos continuar a manter os apoios à economia e os apoios sociais e ainda para mostrarmos ao exterior que desejamos inverter o caminho que trilhamos.

Gostava mesmo de entender, mas... O tribunal de Contas criou, para funcionar no seu âmbito, um Conselho de Prevenção da Corrupção.
Nesse sentido, este Conselho solicitou que lhe fosse remetido um plano anti-corrupção, plano esse que deveria ser feito até ao final de 2009 por todos os «órgãos dirigentes máximos das entidades gestoras de dinheiros, valores ou patrimónios públicos, seja qual for a sua natureza». O próprio Tribunal de Contas realizou um plano interno para Prevenção de Riscos de Corrupção.
Curiosamente a Procuradoria Geral da República achou que não estava integrada nesse conjunto de entidades, pelo que não remeteu plano nenhum.
Agora, e embora continue a pensar da mesma maneira decidiu elaborar o plano.
Nun caso deste e face a uma entidade como é a PGR, julgo que nem se põe em causa o envio, quer ele seja ou não obrigatório. O que está em causa é que se trata de uma entidade com especiais responsabilidades no combate à corrupção, assim sendo toda a união de esforços é pouca, talvez por isso estou com uma elevada dificuldade de entendimento face a estes jogos palacianos.
Todos juntos somos poucos, na luta pela derrota desse cancro social que é a corrupção.

23 de janeiro de 2010

Vítor Constâncio afirmou em entrevista à NBC que a situação económica do país não obrigava a uma redução de vencimentos da função pública, bastava tão só o congelamento.
Claro que percebo.
Uma coisa é continuar a ganhar 20 ou 30 mil e a outra é passar a ganhar 18 ou 27 mil...

Já Passos Coelho, na entrevista de hoje no "Expresso", afina por diapasão diferente. Propõe uma redução nos vencimentos dos políticos.
Claro que também o compreendo. A ele não o afecta e sempre transmite uma imagem porreira.
Mas claro de "porreiros" estamos nós fartos e quanto a demagogia já temos quanto baste.

Vamos iniciar uma nova semana e o folhetim Marcelo versus RTP mantém-se na ordem do dia.
Tenham lá paciência, mas já não há pachorra nem para o folhetim e muito menos para os protagonistas.
Ah... convém não esquecer que um dos protagonistas é pago do nosso bolso e a peso de ouro

É impressão minha ou Pacheco Pereira "meteu a viola no saco" relativamente ao artigo de Fernando Lima no "Expresso" de sábado passado?
Estou curioso sobre a reacção que vai tomar relativamente ao artigo de Rui Paulo Figueiredo no "Expresso" de hoje.

E por falar em "Expresso". No sábado foi a "verdade" de Fernando Lima, no de hoje é Blanco de Morais. São Bento não tem descanso

22 de janeiro de 2010

Devagar, devagarinho... Pois é, devagar devagarinho, lá vamos sendo roubados. Atentemos nos combustíveis.
Dei-me ao trabalho de fazer uma pesquisa sobre o preço dos combustíveis e do brent, tendo-me socorrido de um trabalho publicado pelo IMTT.
Tal como podemos verificar na tabela em 25 de Julho de 2007, o preço do brent era de 129,16USD/barril e de 82,25EUR/barril (a taxa de câmbio era de USD/EUR 1,5704). O resultado disto é que o PVP da gasolina 95 era 1,510 euros.
Hoje o brent estava a 74,72USD (o câmbio EUR/USD 1,4115) e o preço da 95 sem chumbo é de 1,354€ (Galp de Mem Martins, Sintra).
Vejam a diferença do preço final, mas analisem também os outros.
É caso para dizer que embora as circunstâncias sejam diferentes o preço final pouco altera e tudo está calmo e sereno.

20 de janeiro de 2010

De quando em vez, somos "atropelados" por ideias perfeitamente idiotas, mas claro se ficarmos só pelas ideias é mau, mas não vem grande mal ao Mundo.
Mas se esses "pensadores" chegam ao limite de quererem verter essas mesmas ideias para leis, então o caso torna-se perigoso.
Estou a referir-me a um caso italiano. O ministro italiano da Administração Pública, Renato Brunetta, propôs a criação de uma lei que obriga os filhos adultos a sair de casa dos pais. Brunetta considera que os filhos deviam ser obrigados a sair de casa dos pais aos 18 anos.
É a idiotice a liderar.
Mas se isto nos parece patético, o que não devemos nós pensar da situação que esteve na génese desta ideia?
Pois esta ideia aparece após um tribunal de Bergamo, ter obrigado um pai de 60 anos a contribuir para as despesas da filha de 32 anos, que ainda mora com a família mas que já acabou a licenciatura há oito anos.
É muita asneira junta. Já não era suficiente o país ser liderado por Berlusconi, ainda tinha de ter por lá espalhados artistas deste quilate.
Para que conste, o referido ministro esteve em casa dos pais até aos 30 anos.

Li, reli, voltei a ler, mas acreditem que estou um bocado confuso.

19 de janeiro de 2010

Que saudades que eu tenho do PREC. É verdade, hoje quando li o artigo do i sobre o fundador do BPP, João Rendeiro, deu-me a vontade de regressar aos tempos do PREC. Não por mim, mas sim por estes artistas.
Após ler este artigo fui recordar o caso Madoff. Só lamento que a nossa justiça não tenha tenha aprendido nada, mas enfim cada povo tem a justiça que merece... ou não, quem sabe.

E a idiotice, porque não paga imposto?!
- bíblias digitais para o Haiti;
- consul-geral do Haiti no Brasil;
- barco de cruzeiro...
e mais umas quantas idiotices.

18 de janeiro de 2010

O CM tinha hoje um título curioso, dizia: "Homem que tentou matar João Paulo II foi libertado". O corpo do artigo nada importa para este post, no entanto fica aqui.
O que importa é mesmo o título, porque curiosamente enquanto o protagonista da tentativa de assassínio de João Paulo II vai ser libertado, o(s) assassino(s) de João Paulo I continuam sem conhecer a justiça.
Vissicitudes de quem tem poder e que nem sempre o usa para o bem...

Amanhã Cavaco Silva vai condecorar Santana Lopes com a grã-cruz da Ordem de Cristo, que visa distinguir "destacados serviços prestados ao País no exercício das funções dos cargos que exprimam a actividade dos órgãos de soberania ou na administração pública, em geral, e na magistratura e diplomacia, em particular".
É estranho tanto mais que todos sabemos como o actual Presidente da República avalia politicamente aquele que foi o seu antigo secretário de Estado, especialmente como avaliou a acção governativa dele como primeiro ministro nos escassos quatro meses que se seguiram à ida de Durão Barroso para a Comissão Europeia.
Mais estranho se torna se nos recordarmos do artigo escrito por Cavaco com o título "A má moeda expulsa a boa moeda", que teve honras de primeira página no Expresso (de 27 de Novembro de 2004), e que foi a machadada final na credibilidade de Santana Lopes como primeiro-ministro.
Mas claro que isto sou eu, para outros nada disto é estranho...

16 de janeiro de 2010

O "Expresso" teve um lapso imperdoável neste sábado. Na página 19, no artigo "A minha verdade" esqueceu-se de corrigir a assinatura. Saiu Fernando Lima, mas deveria ter sido Fernando Lima/Cavaco Silva.
Quanto mais "explicam", mais se embrulham...

14 de janeiro de 2010

Visitem porque merece. É o Museu Virtual de Aristides de Sousa Mendes.

Afinal Marcelo Rebelo de Sousa tem fixação pelo espaço de tempo de dois anos. lembram-se quando ele disse que este governo de Sócrates não ia durar mais de dois anos? Pois a futurologia mantém-se, só que desta vez relativamente ao próximo líder do PSD.

13 de janeiro de 2010

Que desilusão... A crónica de José Eduardo Moniz no DE (jornal do grupo do qual Moniz é vice-presidente) foi "vendida" como algo de muito enriquecedor para a publicação.
Pois foi, ontem lá saiu o primeiro "Ataque Directo", assim se chama o artigo. Duas páginas (4 e 5) mas com uma foto enorme (ocupa mais de metade da página 5 e ainda uma parte da 4) da Assembleia da República, tendo pela frente uma bandeira do movimento gay.
Para alguém que se assume como jornalista, esperava algo não de muito bom, mas pelo menos de bom.
Meus amigos, que desilusão. Que conjunto de banalidades
Se o objectivo era aumentar o número de leitores é melhor repensar a estratégia, pois em vez de aumentarem arriscam-se é a perder.

Que chatice Maria Filomena Mónica só ligava a televisão para ver o Prof. Marcelo e agora está em risco de deixar estragar o aparelho porque o professor vai deixar de debitar conversa na televisão. Filomena Mónica diz que só aquele espaço é que era bom.
Como é que a senhora podia afirmar tal coisa se não via mais nada. Será que nem viu o programa "Portugal um retrato social" de António Barreto? Se não viu fez mal. Será que não vê a "Sociedade Civil" da Fernanda Freitas na 2? Faz mal.
Coloque de lado o croissant e o vodca e experimente o pão de Mafra e um tinto do Alentejo e vá fazendo zapping, vai ver que encontrará coisas interessantes e de qualidade.

11 de janeiro de 2010

Assumam-se porra... Aguiar-Branco é cada vez mais candidato à liderança do PSD. O grande problema é que os apoios estão todos sediados a norte, quer dizer Marco António Costa (líder da distrital do Porto) e Menezes. Não é por acaso que ele prepara a sua moção de estratégia longe da líder Manuela Ferreira Leite.
Mas só que isto não é assim tão simples.
Existe um candidato já assumido: Passos Coelho.
Mas o pior é que Manuela e algum baronato sulista (a expressão é de Menezes) não está disposto a entregar tudo de mão beijada.
Logo e por isso mesmo Manuela Ferreira Leite apontou baterias para Paulo Rangel.
O grande problema é que Paulo Rangel está no vai que não vai e a sua desmultiplicação este fim-de-semana em tentar dar ideias para o país e para o PSD, mais para o último já que para o primeiro não revela nada que não tenha sido chumbado nas últimas legislativas, são a prova disso mesmo.
Mas claro que para Paulo Rangel falta uma certeza, a de saber se Marcelo é ou não candidato.
Para mim podiam ir todos, incluindo o Pedro Santana Lopes.
O que interessa é que o maior partido da oposição esteja plenamente virado para o país e não para o seu umbigo.
E não se esqueçam de Marques Mendes...

7 de janeiro de 2010

E agora sr. Arquitecto?!... Lembram-se das declarações do director do "Sol" por causa das pressões? Então leiam as declarações de um dos administradores. Realmente algo não vai bem lá no "astro-rei" e não é só economia...

Leiam a notícia e cliquem também para escutar a reportagem de Emídio Fernanndo e atentem bem nas palavras do padre Gonçalo de Almada.
No fim de lerem e escutarem passem por aqui e leiam a notícia.
Isto não tem nada a ver com casamento ou referendo, tem a ver com coerência e este é só mais um caso, dos muitos que têm sido divulgados por esse mundo fora.

2 de janeiro de 2010

Terminou a época natalícia e de fim-de-ano, por isso cá estou de novo, desejando a todos um excelente 2010.

Nesta época que agora termina o mau tempo fustigou o nosso país, nada como noutros países, mas o suficiente para deixar uma parte da Zona Oeste completamente às escuras. Claro que o facto de ficarem às escuras não é assim tão do outro mundo. O grande problema foi o tempo que a EDP deixou que os seus clientes permanecessem sem energia eléctrica. Por exemplo Pacheco Pereira esteve sem energia tanto tempo que o impediu de escrever a crónica habitual para a Revista Sábado, por acaso a última de 2009.
Pois bem esta situação prolongou-se para além do razoável e não estou sequer a colocar em causa o esforço das equipas que estiveram no terreno, mas tenho de colocar em causa a EDP. E não me atirem com areia para os olhos com essa história de ping-pong entre a EDP e a REN. Que eu saiba a EDP é a responsável pela distribuição junto dos consumidores domésticos. Tanto quanto me é dado saber não houve falha na distribuição junto da EDP.
Ainda sobre esta matéria, não me lembro de ter visto quer o director-geral de Energia, quer o secretário de Estado da Energia ter alguma intervenção sobre a matéria. Que eu saiba o Estado detém uma participação na EDP, logo não lhe teria ficado nada mal opinar sobre o sucedido.

Por falar em Pacheco Pereira... O conhecido comentador político e ideólogo de Manuela Ferreira Leite, não teve um fim de ano muito sereno. António Nogueira Leite, membro do Conselho Nacional do PSD, deu-lhe o troco, relativamente ao que Pacheco escreveu na sua coluna da "Sábado" no número antes do Natal. E o troco não foi meigo, mas quem leu o artigo compreende o troco. Aliás, curiosamente ou não, a coluna assinada por Pacheco Pereira tem um título curioso: "Quem nasce lagartixa, jamais chegará a jacaré".
Pois é, o título define o articulista de imediato. Ele julga que só ele é que pode ser jacaré e que todos os outros são umas reles lagartixas. O pretensiosismo nunca foi grande conselheiro.

E continuando ainda no PSD. Menezes continua na senda que sempre o caracterizou.

Louçã julga que por ter imunidade pode dizer o que bem lhe apetece, de quando em vez "cai do cavalo".

A parvoíce não tem pátria.