30 de setembro de 2008

A crise económica continua na ordem do dia. E se até aqui os americanos se constipavam e nós ficávamos com pneumonia, desta vez os americanos apanharam mais que uma pneumonia e nós estamos em estado comatoso.
Razão tinha a chanceler alemã quando disse que os europeus devem liderar a economia mundial e não os americanos.
Entre portas, continuo à espera de uns quantos (António Borges à frente) que eram uns defensores acérrimos de entregar a segurança social aos fundos privados e de privatizar tudo a torto e a direito, virem agora dizer que estavam errados e que tudo o que está a acontecer prova que este modelo neoliberal dos republicanos norte americanos está esgotado e que o dólar não pode ser o denominador comum para as transacções.

O que espera o Banco Central Europeu para baixar a taxa de juros.

27 de setembro de 2008

Hoje é dia de boicote. A DECO fez deste dia, o dia de boicote aos combustíveis.
É verdade que os combustíveis estão com um preço deveras absurdo.
É verdade que as recentes quedas no preço do crude não se reflectiram no preço dos combustíveis.
Mas que diabo, esperava da DECO uma coisa mais inteligente.
Então promover um boicote que consiste em não abastecer?!´
Afinal é um boicote contra quem?
Contra as gasolineiras ou contra os revendedores?
Então hoje ninguém abastece e depois?! Abastece amanhã, depois de amanhã, no dia a seguir a esse e nos outros todos.
As petrolíferas terão sempre garantido o escoamento do seu produto. Aliás, este tipo de protestos pode potenciar aumentos.
Fico a aguardar outras formas para demonstrar o nosso descontentamento.

O Pacheco Pereira tem-se atirado ao "magalhães" como gato a bofe. Aliás Pacheco atira-se a tudo, mas pronto, relativamente ao computador (e a muitas outras coisas) já chateia.
E fico deveras admirado porque o Pacheco Pereira é um defensor e utilizador nato das novas tecnologias. O caso do Abrupto é a prova provada disso mesmo.
Não percebo como é que de repente fica mais papista que o Papa.
Fica-lhe mal.

Esta semana ouvi uma senhora, que é candidata a primeira ministra, dar um conselho aos empresários que têm o Estado como cliente: "Se tivesse que lhes dar algum conselho, diria para se afastarem, que não esperem nada dele a não ser o que lhe é exigível".
Esta coisa da política mesquinha é qualquer coisa de odioso, para não dizer mesmo nojento.

23 de setembro de 2008

Ivone Silva e Camilo de Oliveira tiveram um dueto humorístico no programa televisivo chamado "Sabadabadu" em 1981. Camilo como "Agostinho", Ivone como "Agostinha", dois inveterados alcoólicos criticavam uns e outros à medida que esvaziavam as vasilhas aplicando uma frase que ficou célebre "...este país é um colosso, está tudo grosso! Está tudo grosso !"
Passados 27 anos e com a devida vénia tenho que dizer que este país continua não só um colosso, mas continua tudo grosso.
Vejamos
- O presidente da Federação das Cooperativas de Distribuição Farmacêutica, José Amorim, reconheceu que“a exportação paralela[de medicamentos] é um problema delicado que, não sendo ilegal, causa algum embaraço e desconforto porque, às vezes, os mesmos acabam por faltar no mercado nacional”.
A Apifarma, associação que representa os laboratórios, lamenta o "negóciode puro oportunismo que não é, obviamente, benéfico para os cidadãos".
Traduzindo por palavras simples, temos que existem medicamentos que estão a ser exportados, pelos laboratórios sediados no nosso país, para países onde o seu preço é mais elevado, o que origina que faltem no mercado nacional alguns fármacos.
- Num país em crise como é que o subsídio de transporte dos deputados sofre uma actualização de 2,63 por cento, sendo que eu nem percebo o porquê de tal subsídio.

19 de setembro de 2008

De luxo o artigo de Fernanda Câncio hoje no DN.

A Autoridade da Concorrência (AdC) acusou sete empresas que fornecem refeições a instituições públicas, nomeadamente a hospitais e a escolas, de concertarem preços nos serviços que prestam, actuação que é ilegal por configurar a prática de cartelização.
Não era nada que já não se esperasse.
Agora o ridículo é o facto de a multa que podem receber ascender a 30 e poucou milhões quando, a AdC estima em 172 milhões de euros o prejuízo para o Estado desta actuação ilícita e concertada entre estas sete empresas.
Afinal o crime compensa.

18 de setembro de 2008

"No continente não há democracia". Esta é a tirada de luxo de Manuela Ferreira Leite e foi proferida na passada terça-feira na ilha Terceira. A líder do PSD estabelecendo um paralelismo entre os governos socialistas da Região e do continente, afirmou que se vivem tempos que lembram "aquela fase da ditadura longa que não gostamos de lembrar"."Espero bem que ponderem seriamente se não vale a pena apostar em algo diferente", disse Ferreira Leite"Antigamente os portugueses não falavam porque tinham medo de perder a liberdade; agora não falam porque têm medo de perder o negócio". A comparação vale para os Açores em particular e para o país em geral, acusa Manuela Ferreira Leite. Secundando Carlos Costa Neves, o líder local do PSD que afirma que "a democracia respira mal" no arquipélago chefiado pelo socialista Carlos César, a líder social-democrata aproveitou a comparação para criticar forte e feio o Executivo de José Sócrates, que acusa de "não olhar a meios para alcançar os fins".
Agora percebe-se porque Pacheco Pereira teima em dizer que um líder não deve falar sempre e teima em multiplicar-se a escrever coisas que afastem o povinho quer da cara quer do discurso da líder do partido.
Com ela faz todo o sentido a velha máxima de que quando fala ou entra mosca ou sai asneira. Como não há moscas...

Devem pensar que somos débeis mentais. A questão do preço dos combustíveis está a provocar uma razia na já pouca credebilidade das petrolíferas que operam no nosso país, mas a razia não se fica só por elas.
Nem mesmo Ferreira de Oliveira, com o seu ar angelical, é capaz de nos demonstrar por A+B que a "sua" GALP não se está a encher de dinheiro à custa desta pseudo-especulação que por aí anda. O petróleo desceu em média entre quarenta a cinquenta dólares o barril (refiro o brent porque é o que nos serve de referência) e não vislumbro uma descida tão forte no caso da gasolina e do gasóleo (atenção que um barril de petróleo dá para muitos litros).
Mas não são só as petrolíferas que ficam mal na fotografia. O ministro da Economia e a Autoridade da Concorrência acompanham-lhe os passos.
O ministro faz mal em dizer o que disse. Esperava-se é que chamasse os senhores administradores ou os donos das petrolíferas a operar no mercado nacional e lhes desse um prazo curto para resolverem a questão. Isso sim, isso era actuar.
Ficou para o fim a Autoridade da Concorrência, não por ser mais ou menos culpada, mas por ser tão só mais caricata.
Em tempos idos a AdC elaborou um relatório, que demorou uma eternidade, onde concluiu que o preço dos combustíveis estava correcto face aos preços de compra, que não havia arranjo de preços, cartelização outros achaques que tais.
Como se isto não bastasse ainda examinou e arquivou várias denúncias sobre o comportamento do mercado dos combustíveis em Portugal, após a investigação que fez ao sector em Junho passado, a pedido do Governo (continuam em investigação oito processos sobre este mercado que transitam já da anterior gestão liderada por Abel Mateus).
Então após tudo isto aqueles senhores têm a distinta lata de dizerem pediram às petrolíferas um conjunto adicional e alargado de informação sobre o funcionamento do mercado para que, a partir do final de Setembro, possam realizar uma análise mais aprofundada.
Então o estudo de Junho não foi aprofundado? Vão esperar até ao fim de Setembro porquê? São as férias? Têm muito trabalho?
Juízo senhores, juízo...

Quem também parece que tem falta de algum, são os chineses. Esta história do leite com melanima é, no mínimo surreal e criminoso.
Mas o crime não fica só por isto.
Importa ouvir isto e gritar bem alto a nossa indignação e exigir a verdade.

16 de setembro de 2008

Desde quando é que a Comissão Nacional de Eleições faz apreciações políticas de Leis ou projectos de Lei.
Que tal a Comissão debruçar-se sobre casos concretos. Lembro-me das eleições autárquicas em Lisboa (podem ler também aqui).

Hoje a justiça volta a estar em destaque. Primeiro, pela entrevista do Presidente do Supremo Tribunal de Justiça, Noronha do Nascimento, depois pelo que desencadeou.
Desencadeou palavras do presidente da Associação Sindical dos Juízes, António Martins, e mais tarde por Marinho Pinto, Bastonário da Ordem dos Advogados.
Pouco me importa o que disseram estes dois personagens, mas já me importa, e muito, o que disse Noronha do Nascimento.
Disse o Presidente do STJ que «O sistema remuneratório dos juízes vem de 1992», o que pode afectar a «independência e qualidade» do trabalho dos magistrados, levando os melhores a irem embora e provocando «situações menos claras».
Podem dar as voltas que quiserem, mas ele disse isto. Eu penso o que me apetecer, porque a frase dá essa possibilidade.
E como não bastasse disse ainda mais. Referiu que sobre os Novos Códigos Penal e de Processo Penal um ano não é suficiente para que se façam sentir os efeitos das alterações legislativas, logo ainda é cedo para fazer um balanço das mesmas.
Digam o que quiserem senhores magistrados, mas a entrevista não vos favoreceu.

13 de setembro de 2008

Hoje tinha pensado passar o dia no descanso, mas ao ver a notícia não resisti. Dizia um jornal diário que a PSP do Porto interceptou na madrugada de ontem, na zona do Marquês, no Porto, o motorista particular do presidente do FC Porto, Pinto da Costa, durante uma mega operação policial que visou as principais áreas e bairros problemáticos da cidade.
Dizia ainda o mesmo jornal que o referido motorista não soprou no balão, mas foi na mesma condenado. Agora pasmem senhores porquê?
Foi condenado porque transportava duas senhoras no seu veículo, sendo que este só permite o condutor e um passageiro.
Só para que conste, o dito motorista é proprietário de um luxuoso BMW Z3.
Toma lá...

E já que estamos em tempo de pasmar, aqui vai mais uma pasmadela.
Então não é que Cavaco Silva comparou Manuel Alegre a Camões, a Garret e a Pessoa.
Ei sei o que estão a pensar, mas é falso, porque eu não bebo bebidas alcoólicas.

12 de setembro de 2008

Fernanda, de 49 anos, tratou da documentação para importar da Venezuela um contentor que transportava polvo congelado por via marítima. Entre o polvo vinham dissimuladas cinco toneladas de cocaína.
A PJ a 22 de Dezembro de 2007 capturou a droga, que vinha em elevado estado de pureza, e prendeu sete pessoas, entre as quais essa mesma Fernanda.
Presente ao juíz, foi-lhe decretada prisão preventiva, por ser suspeita de integrar uma rede de tráfico de droga internacional e por haver perigo de fuga para Cabo Verde.
Entrou para Tires a 14 de Fevereiro.
Então não é que o o Tribunal Central de Instrução Criminal devolveu a liberdade a 15 de Agosto porque a arguida apresentou um pedido de ‘habeas corpus’ em que alegou excesso de prisão preventiva, por não ter sido decretada especial complexidade do processo e deduzida acusação nos prazos definidos por lei.
Quer isto dizer que o Ministério Público teria de ter deduzido a acusação em seis meses e não o fez.
De quem é a culpa?
A Magistratura, a Procuradoria e a oposição dirão que foi do ministro Rui Pereira, do Governo e dos novos Códigos.
E eu digo para... terem juízo

E que tal lerem o artigo de João Marques Santos.

11 de setembro de 2008

Esta também cai inteirinha no dr. Rui Rangel. É o novo Código que manda que ao homem que feriu gravemente um outro com três tiros dentro da esquadra da PSP de Portimão sejam aplicadas como medidas de coacção, o de Termo de Identidade e Residência, apresentações diárias na esquadra da PSP e a proibição de se ausentar do concelho e do país.
Atenção que o homem foi indiciado pelos pelos crimes de homicídio simples na forma tentada e posse de arma proibida.
Se o bom senso não fosse uma batata, o que iria acontecer é que este senhor ficaria atrás das grades, quanto mais não seja pelo local escolhido, a esquadra de polícia, mas claro a magistratura é que decide...

10 de setembro de 2008

Muitos dos que acompanham as minhas crónicas ficaram indignados comigo quando um dia disse que Roseta ainda "regressaria".
Pois bem para os mais cépticos de então aqui fica o artigo de hoje do DN.

E por falar em DN importa reter o artigo de hoje de Baptista Bastos.

Começou mal. Paulo Pedroso decidiu começar mal o seu regresso à vida política activa.
É um facto que ainda paira na retina dos portugueses quer a sua prisão, quer a sua libertação e posterior passagem pelo Parlamento, sendo que esta nunca foi entendida por ninguém.
É um facto que Pedroso foi ilibado e tem todo o direito a regressar aos seus afazeres, mas penso que cumpriu um período de nojo muito curto, ou então que se empolou em demasia esse regresso. Mandaria o bon senso que fosse um regresso menos espalhafatoso.
Como se isto já não fosse suficiente, Pedroso decidiu ainda dar uma entrevista à TSF(que passa hoje às 17 horas).
E também aqui falhou a toda a prova.
Numa altura em que o PS tem de lutar por uma nova maioria, vem ele traçar cenários de coligação.
Este é um dos casos que vale a pena perguntar: mas quem é que lhe encomendou o sermão.

9 de setembro de 2008

Ontem foi dado a conhecer o relatório do INE sobre o 2.º trimestre da nossa economia. Propositadamente não fiz ontem qualquer referência ao facto aqui neste meu espaço. Fiquei a aguardar serenamente (tal como Pinheiro de Azevedo) sobre os diversos comentários, para além de ter aproveitado para ler o referido relatório com atenção (sempre são 15 páginas, mais os quadros).
Quem não tiver paciência, bastará ler o resumo,
No 2º trimestre de 2008, o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 0,7% em volume face ao período homólogo de 2007, face a 0,9% no trimestre anterior. Esta desaceleração esteve associada à evolução da procura interna, cujo contributo para o crescimento do PIB foi de 1,6 pontos percentuais (p.p.) no 2º trimestre de 2008 (2,3 p.p. no anterior), sobretudo em consequência do comportamento do consumo privado. O contributo da procura externa líquida foi menos negativo, fixando-se em 0,9 p.p. ( 1,5 p.p. no trimestre anterior), tendo-se registado uma desaceleração das Exportações e das Importações de Bens e Serviços.
pensar um bocadinho e facilmente percebe o que se está a passar.
O que se verifica é que as famílias atingiram um altíssimo nível de endividamento que torna impossível um qualquer aumento na procura interna. Os juros atingiram valores verdadeiramente surreais para o limitado poder económico dos portugueses.
Se bem que a problemática dos juros ainda não "transitou em julgado" dentro da minha capacidade de discernir. E digo isto, porque não há muito tempo quando todos nós clamávamos contra os juros, obtinhamos como resposta por parte dos bancos que o BCE tinha aumentado os juros e que eles tinham de acompanhar.
Agora o BCE mantém a taxa e mesmo assim os bancos sobem...
Mas nem só o endividamento é culpado. A estagnação que se verifica na Europa, para onde caminham 3/4 das nossas exportações, limitam seriamente um qualquer melhoramento no desempenho económico nacional.
Como se pode ver e sem grandes "palavrões" é fácil esclarecer o actual momento da nossa economia.
Não percebo, nem aceito o palavreado serôdio do ministro Manuel Pinho.
Se tem explicado o que referi em cima em vez de dizer «independentemente das revisões, o que é importante referir é que existe uma grande incerteza a nível internacional e que a economia portuguesa está a crescer, enquanto a inglesa, a alemã, a francesa e a dinamarquesa estão em território negativo» ou que «Em primeiro lugar, os números confirmam que a economia cresceu mais cinco pontos percentuais do que a Zona Euro, e em segundo lugar, a revisão dos dados confirma a grande incerteza e as grandes dificuldades na União Europeia, que atravessa uma situação muito delicada», tinha saído melhor na fotografia.

Também foi o Código Penal? O Tribunal de Lagos determinou ontem a liberdade de um homem de 37 anos que se evadiu do estabelecimento prisional de Pinheiro da Cruz, onde cumpria pena por furto qualificado, e foi detido no sábado pela GNR de Aljezur, depois de se despistar ao volante de um carro roubado.
Que dirá desta decisão o dr. Rui Rangel?
As decisões devem ser fundadas não só na lei mas igualmente no bom senso e no discernimento.
Neste caso nenhuma das premissas funcionou. Sabe-se que é evadido, sabe-se que roubou, sabe-se que danificou a viatura roubada, sabe-se que falsificou a sua identidade, e coloca-se em liberdade.

Ora toma! A família de um dos menores condenados no caso do transexual Gisberta vai reclamar uma indemnização ao Estado pela forma alegadamente desleixada como cuidou do jovem e de três irmãos, após os institucionalizar.
Sim senhor, o Estado, ou seja nós, pagámos a educação destes jovens, já que os seus pais não tinham possibilidades ou capacidades.
Um dos jovens não satisfeito com a possibilidade que lhe deram, decidiu fazer asneiras e o resultado é a família a processar o Estado para obter umas massas baseada no facto de o Estado não ter feito aquilo que a eles, pais, competia fazer.
E como já não bastasse esta acção caricata, ainda existe um advogado que a patrocina...
E porque não reclamam à instituição onde esteve, à Oficina de São José? E porque não à Diocese do Porto ou ao Vaticano, já que é uma instituição ligada à Igreja?
Só mesmo em Portugal...

Gostei do artigo de Jorge Van Krieken no 24 horas de hoje

8 de setembro de 2008

“A alfabetização é o melhor remédio”

Este foi o tema escolhido para assinalar o Dia Mundial da Alfabetização que hoje se comemora.

Mensagem do Sr Koichiro Matsuura, Director-Geral da UNESCO, por ocasião do Dia Mundial da Alfabetização, 8 de Setembro

Passada mais da metade da Década das Nações Unidas para a Alfabetização, lançada em 2003, um em cada cinco jovens e adultos com idade superior a 15 anos não possui as mais elementares competências necessárias para ler uma placa de rua, um livro infantil, um mapa, um jornal, nomes em uma cédula de voto ou instruções em uma bula de remédio. Em um mundo cada vez mais impulsionado pelo conhecimento e pela tecnologia, um total de 774 milhões de adultos é analfabeto. Estamos longe da meta de reduzir para metade o número de pessoas analfabetas no mundo todo até 2015. Apesar de as taxas de alfabetização terem aumentado, o número absoluto de analfabetos tem se tornado maior em algumas regiões devido ao crescimento populacional. Isto representa uma verdadeira ameaça para o desenvolvimento humano.
Este ano, o Dia Internacional da Alfabetização enfatiza a importância sobre as conexões entre alfabetização e saúde. Hoje, as maiores preocupações relacionadas à saúde não podem ser adequadamente enfocadas a menos que a alfabetização encontre um lugar central nas políticas e estratégias de saúde pública. Uma pessoa analfabeta é simplesmente mais vulnerável a problemas de saúde e menos apta a procurar ajuda médica para si, seus familiares ou para a sua comunidade. Quase dez milhões de crianças morrem antes de completar 5 anos de vida, a maior parte das vezes de doenças infecto-contagiosas que podem ser prevenidas, e são os filhos dos mais pobres que são menos assegurados de tratamento no caso de doenças graves. O risco de contrair malária - doença que consome mais de um milhão de vida todos os anos - é significativamente maior entre populações analfabetas, com os níveis de escolaridade tendo um impacto directo nos comportamentos orientados pela melhoria da saúde. Mulheres que já concluíram o Ensino Fundamental são cinco vezes mais aptas a conhecer informações sobre o HIV e AIDS do que as analfabetas. Esta é a razão pela qual as Metas de Desenvolvimento do Milénio directa ou indirectamente relacionadas com a saúde – erradicação da extrema pobreza, promoção da igualdade entre géneros, redução da mortalidade infantil, melhora da saúde materna, combate ao HIV e à malária – não podem ser alcançadas sem a dimensão da alfabetização.
Alfabetização relaciona-se ao empoderamento. Ela aumenta a consciência e influencia o comportamento de indivíduos, famílias e comunidades. Além disso, melhora as habilidades de comunicação, dá acesso ao conhecimento e desenvolve a autoconfiança e auto-estima necessárias para se tomar decisões. Uma mulher que participa de um programa de alfabetização terá um melhor conhecimento sobre saúde e planeamento familiar. Ela provavelmente adoptará mais medidas preventivas de saúde para si e para seus filhos, procurará mais facilmente ajuda médica e utilizará os serviços clínicos disponíveis; finalmente, ela será capaz de seguir instruções médicas com mais facilidade a fim de assegurar um tratamento adequado para si e para seus parentes. Em suma, alfabetização é um poderoso, ainda que muitas vezes renegado, remédio às ameaças para a saúde, com o potencial de promover melhor nutrição, prevenção e tratamento de doenças.
Os vencedores do Prémio Internacional de Alfabetização UNESCO 2008 oferecem exemplos inspiradores de como a alfabetização impacta fortemente na construção de sociedades saudáveis. A Organização Não-Governamental "Kwanibela Project", da África do Sul, oferece uma abordagem inovadora para a integração de conhecimentos sobre HIV e AIDS em programas de alfabetização. O programa da Zâmbia "Reflect and HIV", organizado pelo Fórum de Acção Popular, é notável por suas actividades culturais em línguas maternas. O programa brasileiro "Alfabetizando com saúde" mostra os benefícios de uma colaboração bem-sucedida entre os órgãos municipais de saúde e de educação da cidade de Curitiba. O programa atende às pessoas com diferentes doenças crónicas, permitindo-lhes cuidar de si próprias e quebrar o sentimento de isolamento. Na Etiópia, o programa "Literacy Plus", destinado às mulheres das zonas rurais, aumentou a utilização das redes sociais de luta contra a malária.
Estas práticas de alfabetização bem-sucedidas e inovadoras mostram que, quando a saúde está em jogo, a alfabetização tem um papel importante a desempenhar.
A UNESCO está activamente empenhada em encorajar os países a adoptar políticas explicitamente voltadas para a alfabetização e construídas sobre o valioso trabalho que muitas vezes é conduzido pela sociedade civil. Várias iniciativas, incluindo a Iniciativa de Alfabetização para o Empoderamento (LIFE), uma série de seis conferências regionais de alto nível sobre alfabetização em 2007-2008 e a Sexta Conferência Internacional de Educação de Adultos (CONFINTEA VI), a ser realizada em Belém, no Brasil, em Maio de 2009, sinalizam um novo momentum.
Mas esta é apenas a iminência de uma mudança. Para isto é essencial que os países apresentem maior liderança e aumentem os financiamentos para a alfabetização, e que os doadores atribuam à alfabetização uma maior importância entre os projectos que necessitem de ajuda. Existe uma necessidade urgente de aumentar programas de aprendizagem de jovens e adultos, melhorar a sua qualidade, e desenvolver um ambiente favorável onde os alfabetizandos de todas as idades sejam incentivados a manter e utilizar as suas habilidades recém-adquiridas.
O desafio que estamos por enfrentar é nossa responsabilidade colectiva.

7 de setembro de 2008

Foi preciso andar quase dois meses a preparar estes trinta minutos de lugares comuns?! Tenham lá paciência.
Isto ouço eu dos partidos do arco não governativo.
Mas mais, como é que Ferreira Leite tem coragem de vir falar em «reduzir a fiscalidade ligada à criação de emprego» quando em todos os debates para as eleições para o PSD quase que batia nos demais candidatos quando estes falavam em reduzir o nível fiscal para as empresas que criassem emprego?
E como não bastasse não ter ideias, ainda é esquecida.

6 de setembro de 2008

Que engraçado, então não é que um procurado-adjunto do Tribunal de Viana do Castelo foi apanhado em flagrante pela ASAE a tentar vender ilegalmente um bilhete para o concerto de Madonna por 450 euros, bilhete que lhe custou 60 euros.
Importa referir que uma pedra não faz a calçada mas não deixa de ser curioso. Só espero que o Conselho Superior da Magistratura, as Associações, os Sindicatos ou outros quaisquer grupos associativos da classe não caiam na tentação de corporativismo e venham defender este procurador.

Pacheco Pereira anda desesperado. Basta ouvi-lo na Quadratura do Círculo, ler o Abrupto ou as suas crónicas no Público ou na Sábado para ver o veneno que destila para com o Governo.
Não tenho pretensões a conselheiro, mas não posso deixar de lhe dizer que ele deve parar com o veneno, pois arrisca-se a algum dia morder a língua e morrer com o seu próprio veneno.

Devemos exigir respeito, desculpas e castigo para os artistas do Financial Times. Caso tal não aconteça teremos de explicar a todos que são os ditos PIGS que tomam conta das criançs inglesas quandos os seus pais andam por aí a cair de bêbados.

O vice-presidente dos Estados Unidos, Dick Cheney, acusou a Rússia de "ter alimentado" o conflito interno na Geórgia e de "ter cometido actos de guerra contra a democracia".
Coitadito do senhor, então não é que ele come queijo que se farta que o fez esquecer que o exército norte-americano deu treino de combate a 80 comandos das forças especiais georgianas meses antes de a Geórgia lançar a ofensiva armada na Ossétia do Sul, em Agosto.
Para além de palhaços são uns hipócritas.

5 de setembro de 2008

Existe um estudo do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público (SMMP) estabelece uma ligação de causa-efeito entre as reformas penais de 2007, a redução do número de presos e o aumento da criminalidade violenta em Portugal.
Aliás tem sido notório verificar o ataque feito pelos magistrados à nova Lei. Aliás, se atentarmos bem verificamos que os ataques tem sido feitos mais ao Governo que à legislação.
Sem querer estar aqui a limpar a cara seja de quem for (pode haver uma ou duas coisas no Código que devam ser mudadas) sempre me apetece dizer que o problema vem desde o início quando os magistrados foram "incomodados" no seu bem estar por este Governo. A partir daí nunca mais a justiça se endireitou. E de nada vale andar a pregar e a acentuar o sentimento de insegurança, porque um dia as populações vão perceber muita coisa e depois alguém vai ficar mal na fotografia.

Todos dispensavam esta situação.

Paulo Portas continua a não perceber que um partido político não é um corpo de elite criado á vontade e semelhança do líder.

4 de setembro de 2008

Embora não se dê por isso, está a decorrer a Universidade de Verão do PSD. A iniciativa tem início no dia 1 de Setembro e encerra a 7 com o discurso da líder. Este é o evento que actualmente representa a rentrée política dos social-democratas uma vez que a Festa do Pontal perdeu a importância de outros tempos.
A Universidade deste ano é aguardada com grande expectativa porque vem colocar um ponto final no longo período de silêncio de Manuela Ferreira Leite.Ferreira Leite, desde que foi eleita, tem optado por uma estratégia de gestão muito cuidada das suas intervenções, tendo mesmo sido acusada por algumas figuras do seu partido de um silêncio excessivo acerca das questões nacionais e até internacionais.
Mas o verdadeiro problema é que a líder social-democrata, ao ter-se remetido ao silêncio, colocou a fasquia muito elevada. As expectativas são muito altas para o dia 7, só que na verdade o silêncio ensurdecedor criou profundas mossas dentro das hostes que nem o facto de ter convidado Pedro Passos Coelho, ou mesmo António Vitorino do PS poderão abonar a seu favor.
Mas pior do que isto é ainda o facto do PSD ter apresentado uma estratégia que assenta na errância do sim e do seu contrário.
Para além disso, Ferreira Leite não tem nada de novo para dizer.
O facto marcante do Verão para o PSD foi o pedir a cabeça do ministro da Administração Interna, Rui Pereira, só que esse facto acabou por ser diluído pela promulgação de Cavaco Silva da Lei de Segurança Interna e da Lei de Investigação Criminal, acabando assim a protecção que lhe tinha sido dada por Cavaco com a Lei do Divórcio(matéria que não é consensual dentro do PSD) e com o Estatuto dos Açores (há mesmo quem diga que é a Ferreira Leite que incumbe a tarefa de mostrar o que Cavaco vai fazer).
Perante tudo isto estão difíceis os dias para Ferreira Leite. E bem pode vir o seu apaniguado José Pedro Aguiar Branco, num artigo de opinião, escrever que os inimigos de Ferreira Leite a atacavam por estar calada porque sabiam a importância da sua voz, que isto só demonstra que a falta de sensibilidade e perspicácia política de Ferreira Leite começa a ser gritante. Então se a voz de Ferreira Leite é tão importante por que é que a líder laranja à dois meses que está calada.O grande problema é que ela não te nada para dizer. E até Marcelo Rebelo de Sousa já teve que vir a terreiro dizer que o Orçamento de Estado é a última possibilidade para Ferreira Leite.
Só que ninguém acredita que Sócrates deixe de manter o rumo que tem vindo a trilhar nesta matéria, e assim sendo, não será por aí que a líder social-democrata consiga louros.
É por tudo isto que muitos que ontem votaram em Ferreira Leite na mira de chegarem ao poder, hoje já digam que esta liderança é um flop e dos grandes.

A propósito da Universidade de Verão fiquem com estas pérolas e depois digam lá para serviu tal iniciativa.

1 de setembro de 2008

Ai agora?!... Carlos Coelho, director da Universidade de Verão do PSD disse, durante a sessão de abertura da iniciativa, aos jovens participantes «Acho que escolhemos os melhores. Estes são os melhores candidatos e é por isso que vocês são a nossa selecção nacional».
Como sempre, o PSD anda atrasado. Então agora que já acabaram os Jogos Olímpicos é que aparece a selecção nacional?