30 de junho de 2009

Acusem-me lá de ser um anti-direitos do homem, um retrógado, o que quiserem, mas não será por isso que irei alterar a minha posição: porquê receber presos de Guantanamo?
Portugal prendeu alguém? Torturou alguém? Acabem lá com as hipocrisias...

Quem semeia ventos, colhe tempestades, diz o povo e com razão. A Manuela Ferreira Leite sucedeu-lhe isso mesmo. O caso PT/TVI ameaça tornar-se numa tempestade, cujo rasto de destruição está longe de ser conhecido.
Hoje foi Henrique Granadeiro. E apesar de Manuela ter respondido, não conseguiu responder a tudo e a tentativa de condicionamento de Granadeiro é e será sempre uma nódoa que a melhor lixívia será incapaz de tirar. Para não falar na venda da rede à PT para controlar o déficit. Guterres pode ter sido mau, mas não foi o culpado de tudo.

Tadito do Mário Nogueira, começo a ficar preocupado...

Até qualquer dia Pina Bausch.

29 de junho de 2009

A lebre. Alguém consegue imaginar o Prof. Marcelo como lebre do Presidente Cavaco? Não, então leiam atentamente e depois digam de vossa justiça.

Que engraçado... O dr. Jaime Antunes com o currículo que tem [ Jaime Antunes, é natural de Ourém e residente em Lisboa. É licenciado em Economia e foi distinguido como Economista do Ano em 1993. Foi fundador do “Diário Económico” e do “Semanário Económico”. Actualmente é empresário, com interesses em várias actividades económicas] não percebeu o que se passava no BPP? Vai lá vai...

Por cá se, a moda pega acho melhor que uns quantos comprem um bilhete para a estação orbital.

18 de junho de 2009

Lembram-se das declarações de Ribeiro e Castro aquando das Jornadas Parlamentares do CDS/PP?
Pois se se lembram, leiam agora as declarações a propósito do convite para cabeça-de-lista à Assembleia da República.
Isto só denota problemas na verticalidade ou, quem sabe, na falta dela.

E agora meus senhores? Talvez fosse interessante que explicassem quem está por detrás destes votos, ou então que o verdadeiro responsável se assuma perante os demais colegas que não aceita que os trabalhadores percam seis sábados por ano, mas está disposto a que 250 trabalhadores a prazo possam ser despedidos.

Para quê tanta admiração? A TVI é useira e vezeira em copiar, por isso, nada me admira. Já quanto à parte de a Maria João Bastos nunca ter visto a Gabriela, é demasiada absurda para ser sequer comentada.

Para finalizar e porque a vida não são só tristezas aqui vai uma entrevista para nos rirmos um pouco.

15 de junho de 2009

Queres ver que sou eu?! Wellington Nazaré, que participou no assalto ao BES de Campolide, em Agosto 2008, com Nilson Souza – morto pela polícia -, defendeu-se perante os jurados e o colectivo de juízes que o julgam no Tribunal da Boa Hora, em Lisboa, dizendo “Não sou nenhum bandido”.
Mas não se ficou por aqui e acrescentou "Quero pedir desculpas às vítimas para que elas me possam perdoar e eu dormir melhor (...) ".
Está tudo a brincar.

14 de junho de 2009

Mário Nogueira anda tão preocupado em fazer oposição ao Governo e em preparar a sua candidatura ao lugar de Carvalho da Silva que nem se importa com a questão dos professores de religião e moral.
Também é verdade que não lhe interessa levantar muitas ondas, já que estamos perante mais uma questão de desgaste do Governo e isso é que importa, a defesa dos professores pode esperar mais um pouco.
A questão é de relevante importância e demonstra bem o conceito de igualdade da Igreja.
A Conferência Episcopal Portuguesa apelou ao primeiro-ministro, para que os docentes católicos possam leccionar outras disciplinas.
O imoral e a questão da igualdade residem no facto de dentro deste parâmetro estão os professores de religião e moral que são nomeados pelos bispos sem serem sujeitos a concurso, o que originaria que usem estes anos de serviço enquanto docentes para leccionar outras matérias.
Resumindo poder-se-á dizer que professores sem qualquer tipo de concurso legal para outras matérias, as possam leccionar e mais imoral se torna porque entraram por nomeação.
Num Estado laico esta seria surpreendente.
Fico à espera do comentário do sr. Nogueira.

9 de junho de 2009

Cavaco vetou a nova lei de financiamento dos partidos. Para vos ser franco, não me provoca qualquer afronta este veto, antes pelo contrário.
Claro que o PCP não gostou, já que os dinheiros da Festa do Avante vão ficar outra vez na pendura.

Que notícias curiosas?! A ser verdade valerá a pena manter o rumo e as europeias foram tão só um erro de casting.

Será que percebem bem quem venceu as eleições no passado domingo. Por certo não. Pois hoje tiveram essa oportunidade. A propósito da Lei de Financiamento dos Partidos disse hoje Paulo Rangel «o PSD nunca pretendeu que estas alterações que motivaram o veto do senhor Presidente da República fossem avante. Aceitou apenas isso em última instância, para garantir um consenso unânime, que achou que era uma coisa positiva, mas nunca foi a favor, pelo contrário, até foi contra isso».
Estamos perante una hipocrisia fantástica.
É a primeira vez que o PSD assume esta posição e que o próprio líder da bancada parlamentar social-democrata comenta esta questão assumindo uma cedência às pretensões do PCP.
Guilherme Silva elemento do PSD que esteve nasnegociações, nunca deu conta desta posição.
A própria líder, Manuela Ferreira Leite, nunca partilhou desta opinião e somente referiu uma vez que estava aberta para alterar a lei se fossem encontrados efeitos preversos na sua aplicação, e mesmo isso só aconteceu após a sociedade civil se ter manifestado contra e nunca aquando da reunião dos diversos partidos.
E é esta gentinha que deseja comandar os destinos deste país! Vai lá vai.

O caso BPP chegou ao fim. Teixeira dos Santos leu-lhe a sentença. Ainda bem, já não havia pachorra.
Como não podia deixar de ser a solução não agradou a uns quantos clientes do referido banco, mas importa salientar que é uma solução que não usa o dinheiro dos contribuintes, logo isso é não só importante, como fundamental.
Por outro lado o Governo quis resolver o problema dos depositantes e não dos banqueiros. E quando falo dos depositantes, falo quer dos utilizadores dos depósitos a prazo, quer dos de retorno absoluto.
Se tomarmos em consideração que estamos perante um banco de risco e gestor de fortunas, cujo movimento e muito inferior e mesmo que seja encerrado não faz contaminação sistémica, trata-se de uma excelente solução.
Quem não estiver de acordo pode sempre recusar o bonus governativo e ir atrás dos banqueiros.
A propósito ainda está a venda o livro do João Rendeiro?

6 de junho de 2009

Está mau tempo? Estão aborrecidos? Estão apreensivos com o jogo da Selecção? Animem-se, leia a entrevista de Fátima Felgueiras.
E que seria este pobre país sem estes políticos de pacotilha... possivelmente um grande país.

E por falar em entrevistas, leiam do Herman ao 24horas de hoje. Por certo que existem mercenários com muito mais carácter.

O novo Código Penal também é culpado disto.

5 de junho de 2009

O ministro do Ambiente diz que o preço da água tem de aumentar. Pois bem sr. ministro aumente o preço da água, mas varra da factura toda uma série escandalosa de indexações, algumas das quais representam pagamentos em duplicado, como sejam as taxas de saneamento.

O que é que Ferreira Leite sabe que nós não sabemos? Tem de haver coragem e chamar os "bois pelos nomes".

O BPP era ou não um banco "risco"? Então do que se queixam?

3 de junho de 2009

As europeias... Mas por onde anda a Europa nesta campanha? Será que temos vergonha dela? A oposição ainda não fez outra coisa que não seja atacar o Governo e o partido que o apoia.
O PS mais não faz do que responder e atacar a oposição e sobre Europa nada de nada.
Mas pela campanha de ontem à noite já valeu a pena que existisse campanha.
Mário Nogueira, o líder da FENPROF foi um dos oradores do comício da CDU em Almada e Alegre apareceu na campanha pela boca de Louçã.
Eu imagino os rostos de muitos professores ao verem Nogueira no comício... E assim se deitam por terra meses e meses de trabalho e de luta.
No caso de Alegre, não é algo que me deixe muito admirado, eu já estava a prever que no final da campanha seria o vale tudo.

É engano meu, ou quem foi para o Banco Privado Português, só foi porque pairava no ar o "perfume" de chorudos lucros?
O BPP não é o mesmo que o BCP, o BES e outros.
A que propósito é que eu tenho de "pagar" os riscos voluntários que os outros correm?