9 de março de 2016

é o regresso aqui ao blogue, logo hoje que Cavaco parte e Marcelo entra em Belém...


Maria Luís Albuquerque foi ontem à Comissão de Ética da AR para falar do seu novo emprego. Mas será que um caso destes precisa de ir à Comissão de Ética? mas fazer o quê?
Tenham decência e não nos tomem todos por estúpidos... a senhora só foi contratada porque foi secretária de Estado e depois ministra das Finanças e nada mais. 
E só por isso é já uma falta de ética.
E de pouco ou nada servem as Comissões e os Regulamentos, quando eles são compostos e elaborados pelos "pares".
Mais, neste caso não é só a senhora que revela pouca ou nenhuma ética, o partido também.
Num país com P o presidente do partido tinha solicitado à senhora que abandonasse o cargo de deputada.
E estou curioso para saber como serão justificadas as faltas...


Taborda da Gama, diz no DN de hoje: "Conheci Cavaco Silva na sua última campanha eleitoral em 2010, como membro da comissão política da sua candidatura, e fui consultor político da sua casa civil entre 2011 e 2013. Isto é o que dizem os jornais e os cartões-de-visita, porque nem Cavaco se deixa conhecer nem Cavaco precisa de comissões ou conselhos políticos, muito menos dos meus."

Pois bem, fico com uma dúvida: se não foi lá fazer nada porque o contrataram? Esteve a fazer um serviço pro bono? Ponho as minhas dúvidas…


A propósito do caso de Maria Luís, Paulo Portas tem hoje uma frase assassina e que mostra bem que amigos amigos, mas não me esqueço…
Diz ele numa entrevista à Rádio Renascença “A Comissão de Ética não avalia o que é moral. Avalia o que é legal. Outras matérias são essencialmente do juízo do próprio”.
E pum, submarino ao fundo (sem qualquer analogia claro, somente tipo batalha naval)…


Sem comentários: